Discurso de Posse do poeta Guaipuan Vieira na Academia Brasileira de Literatura de Cordel –ABLC - Cadeira nº 19 – Patrono Leonardo Mota

 

Rio de Janeiro 18/08/2012

 

"Nasci lá em Teresina
Capital piauiense,
Para o rincão cearense
Eu fui cumprir uma sina,
Divulgar a nordestina
Poesia mais popular;
Muito ajudei retomar
O folheto de cordel
E hoje vejo o menestrel,
No Brasil se propagar."

 


Senhor presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel –ABLC, poeta e escritor Gonçalo Ferreira da Silva. Senhores membros desta Academia e autoridades componentes desta mesa. Meus estimados convidados, senhoras e senhores.

 

Ingressar nesta Academia é, sobretudo, agradecer a todos pelo reconhecimento à minha poética, que está ligada sobremaneira à luta na década de 80, na capital cearense, pela retomada da literatura de cordel, que agonizava no anonimato espúrio, com perspectiva de extinção, na visão de alguns pesquisadores.

A história da Literatura de Cordel é ampliada a cada década, com autores que fazem dessa arte um elo de vida, de comunicação com o mundo, repassando às gerações, sua sabedoria, que é acima de tudo, divina, porque a poesia entre todas as artes é a expressão que encanta os olhos e os ouvidos. Na concepção dos deuses é a mais nobre entre todas as artes.

 

Neste momento solene que falamos da importância da arte, seria um deslize imperdoável esquecer mestres que tiveram seus discípulos e que estes fizeram seguidores capazes de preservar, ao longo das eras, essa cultura, hoje decantada como literatura, e que outrora estava à margem da elite intelectual.

 

Compõem essa Galeria de mestres da Literatura de cordel os poetas João Benedito, José Galdino da Silva Duda, Leandro Gomes de Barros, João Melchiades Ferreira da Silva, João Martins de Athaíde, Francisco das Chagas Batista, Antônio Batista Guedes, Silvino Pirauá de Lima, este um dos primeiros a publicar folhetos em sextilhas juntamente com Leandro e criador do "martelo agalopado".


Destacamos o piauiense Firmino Teixeira do Amaral, de Bezerro Morto, distrito de Amarração, hoje Luís Correia, era cunhado do lendário cantador repentista Cego Aderaldo. Firmino é autor Da Peleja do Cego Aderaldo com Zé Pretinho do Tucum, embora fictícia, tornou-se um clássico dessa literatura.

 

Mas coube a Leandro Gomes de Barros um papel importante para a forma física da literatura de cordel, seu layout de 11 x 16 cm, com ilustrações feitas em clichê e xilogravura. Instigou João Martins de Athayde, o oficio de divulgar o folheto pelo Nordeste, tornando-se o maior editor, que com a morte de Leandro, comprou da viúva toda a produção, passando a reeditá-la, distribuir por todo Brasil, criando a figura do folheteiro.

 

No transcurso das décadas, essa plêiade de cordelistas foi sendo fortalecida com produções de novos poetas populares, perdurando algumas décadas o informativo do sertão. Esses vates da literatura de cordel foram formadores de novos seguidores, que permitiu que esta literatura se tornasse um veículo capaz de ser questionado por séculos.

 

No final do século XX, em 1987, surge no Ceará, o Centro Cultural dos Cordelistas, CECORDEL, que através de anônimos poetas, apostaram na retomada do cordel naquele estado e com apoio DO CERES –Centro de Referencia Cultural,órgão ligado à Secretaria da Cultura do Estado, da Galeria de Artes –ASSEFAZ, da Associação do Cantadores do Nordeste e do Projeto Rondon, esse grupo de cordelistas no ferrenho esforço, divulgava o cordel através de exposições, palestras em escolas e universidades, contribuindo para o surgimento na década de 90, de entidades congêneres no Nordeste brasileiro.


Em 1988, no Rio de Janeiro, nascia a ABLC, instituição cultural que em curto prazo tem seu notável reconhecimento, veio reforçar a luta dos poetas do Norte, contribuindo veementemente pela valorização do cordel no Brasil, ser a guardiã dessa arte, mantedora da tradição que teve inicio com o filosofo grego Platão, nos jardins da casa que teria pertencido ao herói Akademus.

 


ERA MODERNA

Na era moderna, o cordel continua, através da técnica, um formador de opinião. Sobrevive traduzindo temáticas circunstanciais. Deixou os sertões e ganhou espaço nas Bienais do Livro, em Feiras de Artesanatos, Festivais de Violeiros, Encontro Nacional dos Mestres da Cultura, feira da música, cinema, teatro, entre tantas manifestações culturais respaldadas pela mídia. Seu público alvo está mais direcionado a estudantes, professores, pesquisadores, estudiosos e turistas. Mas o cordel continua sendo transmitido de pai para filho, de geração a geração e nessa diversidade sobrevive às pressões e influências da era moderna.

 


O PATRONO

 

Ocupar a Cadeira número 19, que tem como Patrono o imortal Leonardo Mota, cearense de Pedra Branca, deixa-me feliz, honrado e envaidecido. É um desafio aceito nas minhas limitações de poeta, porque tenho a responsabilidade de substituir um dos maiores folcloristas deste país, que as plagas nordestinas tiveram e que o Brasil espiou com respeito. Leonardo Mota documentou todas as expressões populares, numa época exclusa do mecanismo tecnológico, do precário meio de transportes humanos, entre outros fatores sociais, com grupos de cangaceiros e jagunços que transformavam os sertões numa terra sem lei.

 

Leota como gostava ser chamado, é Patrono da ABLC, por mérito e respeito à sua farta produção literária, que subsidia a história brasileira. Foi um folclorista que também se preocupou a documentar as desafiantes pelejas de repentistas, que sobre tons satíricos e jocosos em versos de redondilha de seis e de dez alegrava a varanda da casa grande ou nos alpendres onde havia cantoria. Os temas variados ao som das violas eram enriquecidos pelas rimas cadenciadas e que produzia efervescência ao forte das ideias. Ainda são comuns entre os cantadores, os debates. Os apreciadores de praxe instiga a dupla para o desafio, que é importante de toda cantoria.

Falar desse cearense, que cedo tomou interesse pela cultura popular, que conheceu de perto a maneira de vida do homem do campo, seus modos, costumes e tradições, é uma tarefa difícil para este acadêmico, por se tratar de uma das maiores autoridades do folclore brasileiro.

 

Leota foi um repórter do sertão, um advogado que documentava a expressão do povo sertanejo, um promotor de justiça que lutou pelo reconhecimento da identidade cultura dessa gente à margem do direito social. Como ele mesmo define: “Nasci para viver de lápis em punho, a registrar as inconfundíveis maneiras de falar dos sertanejos de meu país".

 

Este intelectual citado por estudiosos e pesquisadores do mundo, foi Membro da Academia Cearense de Letras e do Instituto do Ceará. Escreveu muitos artigos em jornais cearenses que a posteriori tornaram-se livros, e desses se destacam: Cantadores (1921), Violeiros do Norte (1925), Sertão alegre (1928), No tempo de Lampião (1930), Prosa vadia (1932). Padaria Espiritual (1938). O Adagiário Brasileiro este foi minuciosamente reconstituído e publicado por seus filhos Moacir e Orlando Mota.

 

O "Princípe dos folcloristas brasileiros" não deixará de ser cultuado por nós, por sua gente, em sua terra natal. Um monumento na praça que tem seu nome repassa para o viandante a expressão de orgulho de sua gente.


Sua bagagem literária permite-nos descrever um estudo comentado sobre sua produção que é, sobretudo, um grande legado para a cultura brasileira.

 

E seguindo a tradição desta Academia, este acadêmico presta-lhes homenagem com o folheto intitulado ADAGIÁRIO NO CORDEL, homenagem a Leonardo Mota.

 

Muito obrigado.
Guaipuan Vieira